Se o Roger Machado aceitar ser treinador do Inter, será o novo Judas ao lado de Ronaldinho

Ontem confirmou-se mais uma demissão no nosso rival, após o empate contra o Vila Nova. O que isso significa? Nada. O que isso nos interessa? Nada. Mas tem apenas um assunto que é o que realmente interessa a parte tricolor do estado: Roger Machado.

Sim, meus caros, o  Inter vai tentar a contratação de Roger Machado. Este que é inteiramente azul. Mas pode querer ser ‘profissional’ e ir para o nosso maior rival. E isso vai custar-lhe um grande preço.

Roger nos deu muitas alegrias como jogador e treinador. Na década de 90 papou grandes títulos. Como treinador, ele implementou um futebol suave que ficou como herança para Renato ser campeão da Copa do Brasil.

O que mais entra em discussão agora é o caráter dele. Isso é algo que, no futebol, pouquíssimos tem. Felipão, Renato e Yura disseram não ao nosso co-irmão por respeito ao tricolor. Primeiro pela polarização, mas um fracasso no time em que foi por dinheiro, teria que sumir do Rio Grande do Sul, pelo ódio de ter sido trocado e por ter fracassado naquele que optou trabalhar.

É algo da vida ser profissional, mas não podemos esquecer que temos manchas enormes que os gremistas nunca esqueceram.

Trabalho de técnico ajuda muito e isso fica uma marca de amargura, tremenda e horrível.

Leão era o goleiro do título do Brasileirão de 81. Ao ir para o Inter, apagou-se. Pode ter ido para a calçada da fama, mas não verá ninguém o elogiando como um ídolo. Isso porque ajudou o nosso rival a sair de sua crise em 99. Acabou e aqui não tem história.

Logo depois foi Tite. A amargura nunca passou. Tite é lembrado, mas não como um ídolo que foi.

O que mais dói foi ele ter recuperado, reerguido e feito um trabalho que perdurou por anos, em um clube que poderia ter caído de produção e sumir na fumaça.

Venceu inúmeros Gre-nais, o primeiro de goleada, deu títulos e uma base boa para um rival que foi campeão da Libertadores em 2010.

Se perguntar para o gremista que mais gosta do Tite, ele certamente terá essa mágoa.

Ao analisar esses fatos, mas os que mais identificam mágoas com treinadores, especificamente, podemos dizer que está nas mãos de Roger ser amado ou odiado. Está nas mãos dele optar, se vai fechar uma porta e apagar uma história e aceitar muito dinheiro.

 

1 Comentário

  1. Rodrigo 12 de novembro de 2017 Reply

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *