Fábio Koff: O maior dirigente de todos os tempos

Um tricolor, de cor, raça, gênero e identidade. Um imortal.

É esse o tricolor que Fábio Koff ajudou a fazer.

Dos anos difíceis, até a reconstrução do Olímpico, ele tinha noção de que um dia o Grêmio poderia chegar lá.

E chegou, desbravando a América, o Mundo e tantos outros lugares.

Ele deu razão, ao que o Grêmio representa. Nos apresentou o Renato, o Brasil, a América, o Mundo e mostrou o tamanho do sentimento que sentimos por ser tricolor.

A garra, luta, imortalidade. E foi isso que ele acreditou. Um imortal, temido, eterno, dentro do Olímpico ou Arena.

Ele acreditou no Renato, ele acreditou no Cacalo,  Felipão, acreditou no Mário Sergio que era um pedido de Valdir Espinoza. Acreditou no Romildo, como a difícil missão de ser tricolor.

Ele acreditou que o mundo era azul e o fez tornar realidade.

Mesmo nos momentos mais difíceis, o Fábio dizia que para nós nada era impossível, bastava ter paciência.

Obrigado por ter dado razão, a este sentimento louco. Tu fez o Grêmio, uma filosofia de vida, ser apresentada no fuso horário do Japão.

Tu fez o Peñarol, ter ficado bravo, por não conseguir tirar a casca de ser Campeão dentro do Olímpico.

Tu fez o clube milionário, mandrake, se render aos pés do tricolor copeiro na Colombia.

Contigo eu fiquei de pé, a pé, caído e chorando, mas sempre tive orgulho de cantar o hino.

Obrigado, por ter feito o sentimento um gigante, ser maior ainda.

Obrigado, por ter trazido Renato.

Obrigado, pela alma castelhana que não se entrega, que é o Grêmio que é.

Obrigado por tu ser IMORTAL e ir para o monte olimpo ser o Zeus do oráculo tricolor.

 

 

Aplaudiremos o Koff, aonde ele estiver…

Até a pé nós iremos, para o que der e vier, mas o certo é que nós estaremos, com o Fábio onde ele estiver

 

1 Comentário

  1. Bruno Bernardo 10 de maio de 2018 Reply

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *